POESÍA a rodos Textos em prosa em português (literários e não literarios) Vídeos com histórias

sábado, 1 de novembro de 2014

A menina de doze anos (Marcos Donizetti)



A menina de doze anos

Eu tinha uns 11 anos naquela época, e ela tinha 12. Talvez tenha sido a primeira menina que durante um bom tempo tomou todos os meus pensamentos. Ela era muito bonita, cabelos castanhos longos e lisos e um sorriso daqueles que só encontramos em crianças e em alguns raros adultos que souberam crescer sem deixar morrer a criança que eram.

A conheci porque naquele ano minha família frequentou bastante o local onde ela morava. Sempre passávamos perto dela e desde a primeira vez ela me chamou bastante atenção. Na verdade estou mentindo quando digo que a conheci, porque tudo o que fiz naquele ano e durante alguns anos depois foi olhar para ela de longe.

Passava horas a observando e pensando sobre quem eram seus amigos, do que ela gostava de brincar e que músicas ela gostava de ouvir. Ficava imaginando até como ela havia comemorado a vitória do Brasil na Copa do Mundo.

Boa parte das minhas brincadeiras consistia em inventar países, cidades, programas de TV, enfim, todo um universo no qual eu poderia ser um herói e não me sentir tão sozinho. Será que ela também se sentia solitária? Eu duvidava. Parecia animada e comunicativa demais para ser assim…

Mas eu não tinha como saber. Na verdade eu apenas a conhecia por foto. Uma foto bastante amarelada e maltratada pelo tempo. Já não lembro o nome dela, mas lembro das datas em sua lápide: 1958 - † 1970. Ela morrera pouco depois da Copa.

Foi um ano difícil para minha família. Um grande número de pessoas próximas morreu em 1987 e as idas àquele cemitério eram constantes. Com o tempo eu não sentia mais medo e até achava, como acho até hoje, um lugar bastante dava uma escapada para percorrer as áreas onde estavam os túmulos mais antigos. Gostava de imaginar quem era filho de quem, esposa de quem, como era a vida daquelas pessoas.

Sempre acabava passando mais tempo mesmo junto ao túmulo daquela menininha de 12 anos, que estava tão sorridente e feliz que nem parecia morta há tanto tempo. Eu achava que teríamos sido bons amigos, não fosse o fato de estarmos em mundos diferentes.


Originalmente publicado no Me, Myself And I, por Marcos Donizetti